30.9.11

Como sempre


Sempre correndo
pra luta!
Sempre fugindo
de mim...

Como uma fera,
ao redor, espreito.
Um, vacilo? Quem dera!
O prenderia no peito.

Sempre cansando
com a vida.
Sempre sonhando
com a outra...

Como uma louca
me porto, comporto
o desejo na boca,
no ventre, no corpo.

Sempre bebendo
seus copos.
Sempre seduzindo
minh’alma.

Como uma dama,
frágil (me entrego)
mas infame na cama!
Sou farol para um cego...





13 comentários:

  1. Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado, não sou poetisa mas estou tentando aprender... Obrigada pela visita! ;)

      Excluir
  2. Se esse poema era aquele q vc estava fazendo na aula de ontem de pesquisa ficou mto bom, gostei mto, até pq nós como Anaydes nessa Paraíba temos q dar voz e impor nosso canto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eita Kauana Costa! Agora a galera em peso sabe que eu não presto atenção na aula! Sujou! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk ¬¬' tenso!
      Obrigada pelo carinho flor!

      Excluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. Que coisa mais linda!!! Sou sua fã meu amor.

    ResponderExcluir
  5. PQP. Poema lindo. Incrível. Amei a parte: Como uma louca
    me porto, comporto
    o desejo na boca,
    no ventre, no corpo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa obrigada, feliz demais por você ter gostado tanto! =D

      Excluir
  6. "Sou farol para um cego" é uma imagem muito forte e bonita..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse elogio vindo de você, meu caro, me deixa realmente muito feliz!

      Excluir